Assembleia Geral da ACONERUQ

20 de Julho de 2013 :: São Luís, Maranhão

A ACONERUQ reuniu mais de 500 quilombolas  no dia vinte de julho de dois mil e treze, no Auditório do Convento das Mercês situado à Rua da Palma, nº 502, Centro Histórico, São Luís-MA.

Realizou uma Assembleia Interna,  para deliberar sobre assuntos importantes para o fortalecimento da luta quilombola. A mesa de abertura foi  integrada pelos(as) coordenadores(as) e conselho fiscal da entidade Maria José Palhano (Coordenadora/ACONERUQ); José de Ribamar (Comunidade Monte Alegre/São Luís Gonzaga); Socorro Nascimento (Comunidade Estiva dos Mafra/Mirinzal); Enoque Matos (Comunidade Santo Inácio/Pedro do Rosário); Raimundo Aldo  (Comunidade Santana dos Pretos/ Pinheiro); Antônio Cláudio Guterres (Comunidade Comum/Guimarães); João Doutor (Codó); Edinaldo Padilha (Camaputiua/Cajari) e Cipriano (Comunidade Santo Antônio/ Itapecuru); oportunidade em que os integrantes expuseram a satisfação de estar participando do evento e da necessidade de somar forças para dar continuidade a luta pela defesa da regularização dos territórios quilombolas.

Maria José Palhano Silva (Coordenadora/ACONERUQ) fez um breve resgate do trabalho desenvolvido pela ACONERUQ nos últimos três anos de atuação destacando as ações relacionadas ao Projeto  O Percurso dos Quilombos da África para o Brasil,  que levou vinte e seis quilombolas à África com o objetivo de Promover o Legado da Cultura Quilombola que teve como resultado a produção e lançamento do filme Kilombos e à Pesquisa Percurso dos Quilombos cujo objetivo foi criar subsídios de difusão e valorização da cultura quilombola.

Maria José Palhano Silva destacou ainda a parceria da ACONERUQ com a FAOR, PROCAMPO e o PRONERA, parceria esta que já tornou possível o acesso de oitenta e um quilombolas a curso de nível superior e da participação da ACONERUQ nos Conselhos de Segurança Alimentar, Igualdade Racial, da Mulher, Alimentação Escolar e Educação. Enfatizou também que ainda faltam pessoas para representar a ACONERUQ em muitos Conselhos, ação esta necessária e importante para manter o destino da entidade. “A ACONERUQ tem nome, t em história não apenas dentro do nosso estado, mas internacionalmente. É um nome respeitado e que a gente quer que continue. E é por isso que precisamos juntar forças”, destacou Maria José Palhano Silva.

Em prosseguimento à explanação a coordenadora da ACONERUQ discorreu sobre as parcerias estabelecidas com a Secretaria de Estado da Igualdade Racial, Defensoria Pública Estadual, Defensoria Pública da União,  Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) e a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Secretaria de Estado Desenvolvimento Social, Secretaria de Estado de Promoção da Igualdade Racial, Instituto Marques Valle Flor e entre outros a  CONAB/Ministério do Desenvolvimento Agrário e Centro de Cultura Negra do MA.  Ainda falou do  aniversário de 15 anos da instituição que contou com a presença de mais de 300 pessoas. Informou que por meio do Projeto Percu rso dos Quilombos a ACONERUQ conseguiu  aprovar em parceria com o IMVF o Projeto Economia Solidária Quilombola, financiado pela União Europeia,  que hoje beneficia dezessete comunidades e a participação da entidade na organização e mobilização das comunidades quilombolas para as Conferencias de Igualdade Racial que estão ocorrendo em vários municípios maranhenses, assegurando assim a participação das comunidades nos espaços de discussão.

Após abriu-se espaço para colocações dos participantes, onde foram pontuados os seguintes aspectos:

a) Satisfação em participar de um evento com um numero expressivo de participantes de várias comunidades e municípios;
b) a importância de passar às outras comunidades as orientações que as comunidades que atuam politicamente possuem;
c) força e a coragem da coordenadora da ACONERUQ;
d) sobre a importância da reunião em tela para o rumo que a entidade vai prosseguir; sobre o processo de êxodo rural que ainda atingem muitas comunidades;
e) que o acesso às políticas públicas ainda é um problemas que atinge as comunidades quilombolas;
f) da necessidade de se lutar pelo desenvolvimento das comunidades quilombolas;
g) sobre a necessidade da união de todas as comunidades quilombolas para vencer os desafios e lutar em prol da regularização dos territórios quilombolas.

Fotos do encontro

Consulte aqui a acta da Assembleia Geral Ordinária da ACONERUQ e da eleição da sua Nova Diretoria para o triénio de 2013 – 2016.

Comments are closed.