Locais de Intervenção

O percurso dos Quilombos: de África para o Brasil e o regresso às origens‘, enquanto promotor de uma cultura e de um passado histórico riquíssimo, abrangeu directamente três Países de Língua Oficial Portuguesa. Designadamente: Brasil, Cabo-Verde e Guiné-Bissau [a par de Portugal, onde foram igualmente desenvolvidas actividades de promoção da cultura Quilombola].

A escolha destes três países residiu no seu passado histórico comum. Os navios que transportavam a mão-de-obra escrava vinda da costa africana rumo ao Brasil fazia a sua primeira paragem em Cabo-Verde. Esta rota marítima, que ligou os três territórios há mais de quatro séculos, deixou marcas ainda hoje visíveis.

Estes navios não transportavam para o Brasil apenas homens e mulheres africanos, transportavam igualmente tradições, crenças e costumes, ainda hoje respeitados e praticados nos três países.

A promoção da cultura Quilombola no Brasil exige por isso um conhecimento aprofundado das suas raízes Africanas.

O projecto actuou assim:

no Brasil | Estado do Maranhão
Localizado no Nordeste Brasileiro, o Estado do Maranhão registava, nos finais do século XIX, a maior taxa de Afro-descendentes do país. Destaca-se hoje como uma das regiões mais pobres do Brasil e continua a registar uma elevada proporção de residentes afro-descendentes apenas superado pelo Estado da Bahia e Rio de Janeiro [IBGE:2000]. A criação do Estado e da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, no final do século XVIII, com administração directa de Portugal, fez deste Estado um dos principais receptores de mão-de-obra escrava africana que era enviada para trabalhar nos grandes campos de arroz e de algodão maranhenses.

Destacam-se como comunidades Quilombolas directamente envolvidas do projecto:
. Quilombo de Santa Rosa dos Pretos, município de Itapecuru-Mirim
. Quilombo Felipa, município de Itapecuru-Mirim
. Quilombo de Santa Joana, município de Itapecuru-Mirim
. Quilombo de Santa Maria dos Pretos, município de Itapecuru-Mirim
. Quilombo de Camaputiua, município de Cajari
. Quilombo São Miguel, município de Cajari
. Quilombo Sítio do Meio, município de Santa Rita
. Quilombo Juçaral dos Pretos, município Presidente Jucelino
. Quilombo São Francisco, município Lima Campos
. Quilombo Matões dos Moreira, município de Codó
. Quilombo Centro do Expedito, município de Codó

na Guiné-Bissau | Região de Cacheu
Estudos da história da colonização Portuguesa apontam o porto de Cacheu como um dos principais pontos de saída de mão-de-obra escrava para o Brasil, nos séculos XVI e XVII. A pesquisa e identificação de traços comuns entre a cultura Quilombola e guineense centraram-se por isso nesta região no Norte do país, a 90 km da capital Bissau.

em Cabo-Verde | Ilha de Santiago
As ilhas de Cabo Verde assumiram, no passado, um papel preponderante na rota do comércio escravo tendo desempenhado a função de entreposto entre África e as Américas no período emergente do comércio triangular. A Ilha de Santiago foi escolhida pelos portugueses como primeira sede para a colónia, em 1462, promovendo assim, simultaneamente, a criação de uma base administrativa e comercial avançada, nas proximidades da costa africana.

Comments are closed.